Clame o Pai


Quando o mundo te açoitar, deixar seu corpo em carne viva e sangue, clame: Abba, Pai! E, com amor, o Deus do impossível manda seu Filho para retirar suas vestes e te pegar no colo.

Se chorardes, não tem problema. Sua cabeça está no peito de Jesus e, por mais que não ouças as batidas do seu coração, tu estás no coração do Pai que te carregas no colo despido e machucado, como és de verdade no dia a dia.

E Ele te banha, cuida de suas feridas, mas, até cicatrizar por completo, ainda dói, sangra, tu irás gritar e se sentir desamparado. Contudo, Ele permanece do seu lado como seu melhor amigo.

No fim de tuas doras, Ele te transforma em um homem novo para o mundo a sua volta e espera, ao lado de teu leito, até O chamardes novamente. Enquanto isso, Ele, com seu amor infinito, zela-te e guarda-te em seu coração.

Ana Luiza Pereira


Lost my prince


Num dia tão bonito, pela milionésima vez, eu faço burrada:
uma palavra qualquer, impulsionada não sei pelo o quê,
fez que você se afastasse.
E eu, ao longe, observava claramente 
seus olhos com raiva pelo o que disse
com um misto não de tristeza, mas de chateação.
Sua chateação criou uma distância bem mais do que a corporal
e, por mais que estivéssemos preocupados um com o outro,
ela se tornou uma barreira entre nós.
Barreira cuja tristeza me afetou
e, no silêncio da madrugada,
choro minhas mágoas pelas palavras que disse
e que me distanciaram de você.
Pedir desculpas pelo o que disse não trará você de volta,
nem piorar o meu já frágil estado de saúde,
então só me restou isso aqui e agora:
escrever com lágrimas nos olhos 
toda a falta que sinto de rir com você,
de estar com você,
de abraçar você...
E quanto mais passam esses dias dolorosos sem te ver,
quanto mais passam as horas e os minutos sem você,
mais eu crio um medo em mim,
mais eu percebo a triste verdade:
Estou perdendo meu príncipe.

Ana Luiza Pereira

Falando sobre relacionamentos


"Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia. Capazes de ferir e de curar." (Dumbledore em Harry Potter e as Relíquias da Morte - J.K. Rowling)

Segundo o dicionário, a palavra relacionamento é definida como: "Ligação afetiva ou sexual entre duas pessoas". Não querendo tirar a verdade dessa definição, mas encaro como bem mais do que isso. Vejo um relacionamento como um filho.

Claro que a abstração dessa comparação precisa de uma explicação e aqui está: ter um relacionamento é como criar um filho. Sim, um filho. Requer paciência, e bem mais do que imaginávamos que seria necessário a princípio. Se você está com pressa demais, não irá aproveitar as coisas boas; momentos puros e simples que o farão feliz. Se você levar tudo como se fosse fácil ou moleza, criará maus costumes, os quais, gerará brigas e muito mal entendido. Se encarar como se tudo for um problema, afinal, por que está aqui?

Ter um relacionamento, assim como criar uma criança, requer também responsabilidade, principalmente de seus atos. Entretanto, tudo tem que ser na medida certa, no tamanho certo. Você tem que aproveitar os momentos juntos, mas ter cuidado para não errar, no caso de um relacionamento, a pessoa poderá se decepcionar e ir embora, no caso de criar um filho, ele irá se decepcionar também, mas não te verá mais como um espelho, como alguém que ele quer ser quando crescer. Mas, em todo caso, seja feliz. 

Posso ter falado um monte de bobagem, já que eu não sou mãe nem especialista em relacionamentos. Contudo, são apenas devaneios de uma pessoa qualquer que supõe o que vem à cabeça. Eu só queria entender o porquê é simples e complicado ter um relacionamento estável sem magoar ou ser magoado com o passar do tempo. Vai ver que, a verdade, esse é o mal do ser humano, magoar com as palavras por mais que não queira.

Ana Luiza Pereira

Poesia e o mundo

Me sacrifico entre as dores dos pensares e pesares...
Na verdade, o mundo me sacrifica.
Sacrificam os sorrisos, abraços, o carinho...
Sacrificam a família.
O mundo já esquartejou todo o romantismo,
inverteu valores, sacrificou as crenças para remontá-las à sua imagem.
O que mais o mundo tem para matar? A nós.
O mundo quer nos matar e esquartejar...
Qual é nossa defesa?
Sem "mas"... Apenas enfrente e em frente!
O futuro que desejas já bates em nossa porta.

Ana Luiza Pereira

Carta à vida


Querida vida,


Responda-me: desperdicei minha vida? Fiz tudo em vão?

Ao tentar pensar numa resposta sensata para essa pergunta, não faço nada além de comparar a vida que passei com a vida das pessoas ao meu redor. Pessoas que sabem como é o mundo lá fora, enquanto eu desperdiçava o meu tempo desvendando os mistérios do meu mundo intrínseco. Hoje, vendo tudo o que passou, pensando em tudo que eu perdi, penso se realmente valeu a pena...

Não há uma resposta concreta senão aquela que carregas, mas não sei por que penso nisso e, pensar nisso, a pergunta me consome e me chateia. Por que perdi tanto tempo assim? Posso culpar meu jeito em várias coisas, até mesmo em meus pais e sua superproteção, porém, a verdade é uma só: a verdadeira culpada sou eu. Fiz minhas escolhas e acabei me enclausurando com elas, hoje, só posso ver o que perdi.

Vida, esta é mais uma de suas armadilhas?

Estou tentando aprender a olhar para frente e seguir o conselho daqueles que amo, mas me obrigas a olhar para trás e me machucar com isso. É difícil mudar depois de todos esses anos sendo a mesma pessoa. Ainda assim, eu tento.

Quero me vendar. Não enxergar mais o que me mostras que perdi, mas as coisas boas que aprendi. Os sorrisos, os amigos, os conselhos e esquecer as lágrimas. Sei que parecerá que sou a mesma pessoa de sempre; aquela que foge dos seus problemas até eles virarem uma gigante bola de neve, mas não. Nesses anos todos Deus tem me mostrado a força que tenho, embora o mundo escracha minhas fraquezas e meus defeitos.

Então, decreto a você, minha amada vida, que se esta for apenas uma crise qualquer, como tantas outras que passei, irei enfrentá-la. Se necessário, irei chorar, irei me indagar (mesmo que eu não obtenha uma resposta ou me conforme com “alguma”) e irei superar como superei tristezas e indagações bem piores.

Atenciosamente,

Da pessoa que sempre soube que a vida não é nada fácil.

Ana Luiza Pereira