Mais uma sobre saudade

Todos os anos, nesta mesma data, eu escrevo.
Escrevo para suprir a saudade que sinto,
escrevo para não chorar.
Às vezes demora minutos, horas, outras demoram dias...
É difícil escrever quando lhe faltam palavras o suficiente para descrever.
Palavras não constroem corpos capazes de abraçar-nos nas noites geladas de inverno.
Na verdade, palavras só constrói passados.
Lembranças que se tornam distantes e sofríveis.
Lembranças que sorrimos e desejamos revivê-las.
Só as palavras e as lágrimas me restam.
Esta semana toda eu chorei pela falta de um corpo no meu leito,
de um beijo de boa noite, uma música de bom grado e um conselho de boa mãe.
Esta semana toda imaginei como seria se ainda pudesse conversar com esta pessoa que se foi.
Por mais que a minha mente tenha se esvaziado e se perdido no tempo,
meu corpo sente falta e chora.
Chora pela boa mãe que sabia de tudo e não contava nada...
Chora pelo exemplo de silêncio que se foi...
Como quero ser como ela!
Por mais que me restam palavras para descrever,
ainda tenho o exemplo na minha lembrança.
Este exemplo não se apaga, não se esvai...
A saudade vem e me remexe, mas ela passa...
e só ficará as boas coisas que essa boa mãe fez por minha grande família.

Ana Luiza Pereira

1 comentários:

Anônimo disse...

http://letras.mus.br/rosa-de-saron-musicas/83388/

Postar um comentário

Comenta, por favor!