Sede

Estou com sede.
Bebo água, mas nada resolveu.
Suco e refrigerante? Não...
Açaí, sorvete, calda...
Líquidos doces ou não,
Quentes ou não.
Nada mata minha sede!
Minha garganta sedenta clama por uma água pura e rica...
Meus lábios rachados, língua seca...
Então eu compreendo:
É meu espírito que clama e meu corpo atende.
Meu espírito quer coisas que esta terra não pode me dar,
Por isso, morrerei de sede...
Mas agora sei que é sede da Água Viva de Deus.
Sei que Ele sussurra meu nome entre a brisa.
E meu espírito, com a garganta seca, diz:
"Eis-me aqui."
Espero estar apta para adentrar-me ao Teu Éden
E ser escolhida para matar minha sede de vida eterna ao lado de seu Filho.
(Assim seja...)

Ana Luiza Pereira

Crise

Eu não estou na minha melhor fase, admito...
Eu tenho perdido minha identidade para uma face mandona e controladora.
Desculpe se fui assim com você.
Mas o que vejo ao meu redor é tudo que mais amei fugindo do meu controle...
Vou-me deitar com gritos das brigas de um passado que se torna presente no mesmo evento.
Vou-me deitar chorando por temer perder todas as pessoas que eu me importo e que importam comigo.
Não sei mais o que faço, só sei o que fiz: tenho sido controladora...
Então, me reclusei para o nada, para apenas me debulhar em lágrimas e não me meter mais onde não sou chamada.
Desculpe-me se fui assim com você, mas entenda que luto a cada dia com meus próprios pesadelos.

Ana Luiza Pereira

Via Crucis Vitae


"Pegue sua cruz e siga-me!"; Por quantas vezes ouvimos esse chamado? Nesse tempo quaresmal, a Igreja nos convida a professar a nossa fé participando da Via Sacra e lembrando do martírio de Jesus por nós. Mas, por que ir se nos esquecermos de Cristo no nosso dia-a-dia? Reflitamos cada estação da Via Crucis:

Primeira estação: Jesus é condenado à morte. Por muitas vezes em nossas vidas somos condenados por quem pensamos ser nossos amigos. Tais pessoas que nos julgam por sermos quem somos independente dos olhares dos outros. Assim foi com Cristo. O povo que o acolheu como rei no Domingo de Ramos e que dizia ser seu amigo, condenou Jesus à morte e morte de cruz. As pessoas nos difamam sempre, principalmente, quando somos cristãos (e isso não vem de hoje).

Segunda estação: Jesus carrega a cruz. Quantas vezes, em toda a nossa vida, estamos atolado de problemas e preocupações? Somos açoitados pela vida quando procuramos o bem de nossas famílias. Jesus tinha preocupações, tais eram: a salvação da humanidade. Sua cruz, por mais que fosse de madeira maciça, era, na verdade, a nossa cruz; nossos erros e preocupações, todos os nossos problemas, nós deixamos nos ombro de Cristo enquanto era açoitado por guardas romanos.

Terceira estação: Jesus cai por terra pela primeira vez. Todos nós somos humanos, todos nós caímos alguma hora de nossas vidas. O que nos define fortes ou não é a capacidade de levantar e seguir em frente.

Quarta estação: Jesus encontra sua Mãe. Família não dura para sempre e isso é verdade. Mas, se ainda tivermos a oportunidade, zele pela nossa família. Ela é única! Ela pode ser problemática, mas te ama, estará sempre ao seu lado e sofrerá suas dores.

Quinta estação: Jesus recebe ajuda de Cirineu. É quando mais necessitamos que conseguimos distinguir nossos verdadeiros amigos. Podem ser poucos, mas serão eles que estarão sempre ao seu lado independente do momento em que estiveres passando.

Sexta estação: Jesus tem o rosto enxugado por Verônica. Muitas pessoas passam em nossas vidas. Será que marcamos elas o suficiente? Verônica, na verdade, vem do latim: vero icon que significa ícone verdadeiro. Ao passar e enxugar o rosto de Cristo, ela teve a visão da verdadeira face de Deus. Ela que, antes, foi curada de sua hemorragia ao tocar no manto de Jesus. Para nós, verdadeiros cristãos, é necessário sermos tais vero icons de Deus, além de sermos sempre verdadeiros, então, marcaremos a vida de quem quer que passe pela nossa.

Sétima estação: Jesus cai pela segunda vez. Ninguém disse que carregar sua cruz seria fácil...

Oitava estação: Jesus adverte as mulheres de Jerusalém. Tal aviso de Jesus às três Marias persiste para todos nós: necessitamos de nos converter e evangelizar.

Nona estação: Jesus cai pela terceira vez. A cada queda, ficamos mais fracos e debilitados. Afinal, somos humanos! Mas a sociedade quer nos ver  no chão, onde caímos e, às vezes, paramos só para açoitar-nos e arrancar nosso couro e nosso sangue. Vale a pena se render?

Décima estação: Jesus é despido de suas vestes. Somos obrigados a nos despir de nosso orgulho e egoísmo a cada queda e açoite. Devemos ser servos e humildes, mas não admitimos estar errados, muito menos, queiramos que as coisas não fosse do nosso jeito. Não nos curvamos diante de certas pessoas, pois as julgamos. Isto está certo?

Décima primeira estação: Jesus é pregado na cruz. Então, somos pregados. Nossos problemas chegam ao ápice, é agora ou nunca para resolvê-los. Não há saída senão enfrentá-los.

Décima segunda estação: Jesus morre na cruz. Não aguentamos a pressão e viramos mortos-vivos. Morremos internamente após tanto martírio.

Décima terceira estação: Jesus é descido da cruz. É quando viramos máquina, somos apenas um corpo a se movimentar. Nossa mente está morta, nem sabemos quem somos mais.

Décima quarta estação: Jesus é colocado no sepulcro. Então, nos recolhemos e pensamos em nossas vidas e no que precisamos mudar. É o tempo de retiro e de mudança. Não podemos mais viver do jeito que vivíamos.

Décima quinta estação: Jesus ressuscita. Mudança feita. Ressurgirmos para a nossa nova vida. Agora é necessário praticar boas obras e vivenciar a fé que cremos.

Este é o mistério da fé cristã: vivemos e revivemos uma Via Sacra. Então, por que se afastar de Deus na dificuldade? É mais cômodo não crer e cair no erro da hipocrisia diante da dificuldade que enfrentar os açoites da sociedade perante nossa fé. Vivemos tal martírio por nós mesmo e por nossa família, mas seríamos capazes de viver essas dores pela humanidade? Então, vivamos Cristo, sejamos Cristo, distribuamos Cristo em todas as Vias Crucis Vitaes.

Ana Luiza Pereira

Limbo das palavras


Perdi-me.
Perdi-me no limbo de nossos sonhos.
Onde palavras, pensamentos, poesias e nossos planos são formados,
no núcleo intrínseco da parte esquecida de nós mesmos.
Vi palavras há muito não lembradas.
Conversações que nunca hão de acontecer.
Vi as minhas mortes sentimentais.
Lembrei dos seus defeitos,
 que o meu amor por você me fez esquecer.
Mas o que escrevo?
Nem sei mais...
O limbo vem ao poeta e não o poeta ao limbo.
Minha mão se mexe sem o meu comando,
escrevendo palavras desconhecidas até então.
Sou analfabeto de meus poemas, não sei o que escrevo.
É o limbo, caro poeta, ele que faz seu trabalho usando-te.
Perca-se para se achar, arrisque-se no desconhecido...
Viva o limbo das palavras que estás lendo.
É assim ser poeta?
Escrever palavras ao vento não é viver o limbo.
Lindo e complexo limbo...
Existe alguém aí para me compreender?
No meio de lembranças, palavras e poesias
só encontro amor, tristeza e alegrias.
Qual será o caminho de casa?
Estas palavras no papel estão me encaminhando para o ponto final.
Mas não há finais aqui...
Reticências?
Caminharei entre as palavras perdidas, elas sim me mostrarão o caminho...

Ana Luiza Pereira
Poesia vencedora do Concurso Nacional de Poesia da Editora Vivara 2013.

Tornei-me

Como fui parar assim?
Virei-me mariposa a ser atraída pela luz do fogo.
Virei-me Ícaro a ser atraído pelos céus e pelo sol.
Virei-me borboleta a ser atraída para o mais longe de seu casulo.
Virei-me Narciso a ser atraído pelo seu próprio reflexo.
Virei-me...
Tornei-me um desconhecido para mim, pois não sou mais uma pessoa,
Tornei-me sentimentos.
Estou fadado a viver com isso por muito tempo, e assim será.
Viverei o desconhecido efêmero da vida sendo quem tornei-me.
Afinal, não é esse o prazer e o mistério da vida?
Conhecer o desconhecido, até mesmo, quando ele se torna si próprio.
Desejo-me sorte,
Porque viver sentindo é ser mártir de mim mesmo.
Contudo, até os confins sentiremos...
Esta é a pele e o coração que habitamos;
Sentir é ser humano...

Ana Luiza Pereira

Mulher


Estou aqui para dizer:
Feliz dia que é seu, mulher!
Mas também para perguntar:
O que define a mulher?

Mulher é definida pelo cromossomo?
Não sejas idiota, mulher é bem mais que isso...
Definida pela idade e experiência?
É bem mais... Sei que tens a consciência...
Definida pelas ideias?
Não.
...
Na verdade, sabes que mulheres são atitudes e sentimentos 
Acoplados e manifestados num ser.
Temos medo, mas somos fortalezas para outros.
Choramos, mas limpamos muitas lágrimas pelo caminho.
Pedimos conselho, mas aconselhamos com sabedoria a quem precisa.
Somos frágeis, mas sabemos fazer caretas sérias para disfarçar.
Somos românticas, embora não digamos sempre o que nos toca o coração e nos faz chorar.
Somos tudo...
A verdade, é que a mulher é uma mãe por natureza.
Cuida e ama, pois essa é a sua natureza.

Pode ser difícil entendê-las?
Sim.
Mas apenas se você não conseguir pensar com o coração...

Mas aconselho a você:
Sinta a mulher que está do seu lado,
Pois palavras e atitudes só expressam os sentimentos desse ser que é mais que especial.

Parabéns, mulher!

Ana Luiza Pereira

Pensando com o coração

Coração aperta,
Ainda sinto...
Um beijo dado
com carinho e amor.
Um abraço forte
e o sorriso desconsertante.
O cheiro do seu perfume ficou
junto com o pensamento sobre você.
O que eu faço?
Sinto medo...
É uma longa estrada, uma nova vida a percorrer...
Não sei o que faço,
Então, penso...
Quem sabe a decisão mais sábia não venha até mim?

Ana Luiza Pereira

Quem bate?



Já percebeu que em muitos filmes e até em nossas vidas sempre perguntamos primeiro qualquer coisa antes de responder? É como atender a porta; primeiro perguntamos, senão, espiamos quem é para depois saber o que queres. Então, pergunto: cadê nossa coragem?

Nosso coração é uma grande casa, cabe todos que nós deixamos entrar... Muitos se vão e levam consigo um pedacinho dessa casa que continua enorme por dentro. Mas ainda tem alguém que bate à porta. Podemos abrir a porta para todos os tipos de pessoas, mas com certeza a maioria irá embora sem dizer sequer adeus. Ainda assim, batem à porta... Não adianta gritar perguntando quem é e o que deseja, já sabemos a resposta! Quando você pergunta às pessoas, umas responderão que é paranoia, outros que não é nada e poucos dirão: "É o Pai". Perplexo de tantas respostas, você ouve uma voz conhecida, embora você não se lembre o nome: "Eis que bato à porta..."

Então, você que lê esse texto, eu vos digo: sim, é o Pai em forma de Espírito que bate à porta de nossos corações nos propondo mudanças, renovações e melhoras. Mas nós somos tão enclausurados pelo cotidiano, desconfiados pelas pessoas e medrosos pela vida que temos medo de conhecer a Deus. Uns dizem que já o conhecem, então, pergunte: conhece mesmo? Deus nos propõe mudanças através da conversão, através da aceitação Dele em nossos corações duros de pedra, e isso não é feito de forma estática. Temos que estar sempre em comunhão com Deus e seus mandamentos, principalmente, em nossos cotidianos, senão seremos apenas fariseus.

Analise a sua vida; do que precisas? Só Deus tem palavras de conforto necessário para a sua consolação. Contudo, saiba que, para isso você precisa estar apto para mudar sempre e sempre buscando o Pai, pois como um bom Pai, Ele honrará seus filhos que o honraram. Está apto? Pare de perguntar quem bate e diga logo sorrindo: "Entre!", sabendo que, por mais que as coisas fiquem difíceis, é seu dever não deixar que sua fé se apague. E, lembre-se; muitos são chamados para caminhar, mas poucos são escolhidos para continuar.

Ana Luiza Pereira

Future in my hands (tradução da música de Rungran)



Estando onde eu deveria estar
Acreditando no que me disseram para acreditar
Sendo quem eu deveria ser
Fazendo o que eu deveria fazer

Você ouviu o que eu disse?
Você fez o que eu falei?
O que você viu é uma ilusão
Você está vivendo na desilusão

Indo sem parar eu tenho o futuro nas minha mãos
Perdendo dias que eu nunca vou conseguir esquecer
Indo sem parar até que eu seja finalmente eu mesma
Saindo deste mundo desonesto que eu nunca quis
Agora é a hora
Agora é a hora

Me pergunte se você for ansioso
E eu te darei todas as respostas
Verdade ou desafio - a escolha é sua
A sua verdade é o que você deseja

Quem sou eu para dizer que o futuro está em suas mãos?
Me liberte dessas mentiras e decepções frias, eu estou tão assustada
Indo sem parar através dessa terra,através do tempo
Indo para ver,para sentir,para respirar
Eu sempre quis

Eu estou gastando noites sem sono
Cortando todas as palavras que podem machucar meu coração
Eu estou deixando todo o meu passado aqui
Então verei o mundo com certeza

Indo sem parar eu tenho o futuro nas minha mãos
Perdendo dias que eu nunca vou conseguir esquecer
Indo sem parar até que eu seja finalmente eu mesma
Saindo deste mundo desonesto que eu nunca quis

Agora é a hora
Agora é a hora

Siga depois da hora
Siga depois da hora.

Rungran