Um "Até!" molhado

Escrevo aqui o que vi e senti,
mas também o que minha consciência mandou...

A vida inconstante um dia a peça pregou:
amigos, que diziam-se inseparáveis,
ela juntou.

Contudo, ela não escondeu a jogada:
todos eles sabiam
que o adeus era inevitável nessa jornada.

Todavia, de tudo aconteceu:
o amor nasceu, a preocupação cresceu
e o fim surgiu...

Chegou a hora do adeus.
"Adeus você que esteve do meu lado,
que eu digo que serás sempre meu.

Pois és meu.
Mas adeus é uma palavra errata.
Não é para sempre esse distanciamento na encruzilhada.

Haverão outros cruzamentos, eu sei.
Saberemos quando passarmos
e felizes da vida falarmos.

Um "até!" é mais sensato,
delicado,
correto.

Pense que nos veremos,
mas não prevemos
dia, hora e local.

Assim será nossa vida,
até o fim...
Até os confins..."

Emocionado, 
o abraço aconteceu.
Molhou, sequei o molhado.

Não me importei se me molhei,
mas marcou um "até"
que eu nunca mais presenciarei...

Ana Luiza Pereira

1 comentários:

Professora Lussandra disse...

Parabéns para seu blog! Gostei das suas postagens! Muito inspirada, hein mocinha! Bjkas

Postar um comentário

Comenta, por favor!