O perdão não pode esperar!

Domingo de sol, fui à igreja em busca da Persona Christi encontrado no padre na hora da confissão. Mas ele não estava lá, então fui ao Santíssimo rezar e começar meu Ato de Contrição.

Ouvia da janela os pássaros cantarem bem alto, como pequenos sinos. Sentei-me perto das janelas e dos pássaros para fazer alguma leitura da Palavra e uma mera reflexão sobre minha vida.

Um pouco depois, ouvi passos logo atrás de mim. Virei-me para ver o que era. Vi o meu pároco sendo seguido por um mendigo, logo pensei: "Meu padre foi ajudá-lo."

Continuei ali esperando. A espera se tornou longa, então comecei a rezar um terço. Porém, minha visão periférica viu o mendigo sair e um ladrão entrar na sacristia. Senti medo. "Será que ele veio nos roubar? E se ele me matar?" Em meu interior, rezava mais e mais alto, clamando pela minha vida.

Quando terminei o terço e o ladrão saiu. "Obrigado Senhor!" Mas logo após, entrou um casal de jovens que eu conhecia. Ela era mais nova que eu e estava grávida de poucos meses, eles estavam esperando um filho antes do casamento. Julguei. Nos meus pensamentos, apedrejava aquele casal jovem pela sua irresponsabilidade e inconsequência.

O sino da igreja tocou três vezes, indicando que já eram 9 horas da manhã. Peguei o jornal da missa daquele dia e, no evangelho, Jesus dizia: "Quem não tem nenhum pecado, que atire a primeira pedra." Foi quando recobrei a consciência; quem era eu para julgar? Estava ali em busca do perdão, mas o que eu fiz foi o contrário. Pequei na Santa Casa de Deus e perante Ele.

Envergonhei-me como Adão e Eva quando descobriram que pecaram e estavam nus. Onde foi parar minha humildade? Não fui serva, fui filha pródiga. Chorei.

Senti uma mão atrás de mim e uma voz me perguntou:

- Por que choras?

- Porque pequei. - respondi - Vim à casa do Pai em busca do perdão e o que fiz foi temer o mundo e julgar meu próximo. Choro, pois estou envergonhada, não sou a cristã que pensei que fosse.

- Vou te contar um segredo. Vê aquele crucifixo ali no altar? Aquele homem que está representado ali morreu há muito tempo atrás, derramando seu sangue por amor ao Pai e à nós em redenção dos nossos pecados. Se você se sente mal por pecar, ótimo! Porque prova que o sacrifício da cruz não foi em vão e você tem a salvação. Basta tentar se redimir com o Pai e com seus irmãos.

Saí em direção a sacristia, sem nada a dizer, prendendo as lágrimas e apertando os passos. Adentrei-me sem permissão e ajoelhei-me perante o padre.

- Perdão padre! Pois pequei em atos, palavras, pensamentos e omissões! Perdoe-me! - clamei chorando.

- Dos teus pecados já não me lembro mais... - disse uma voz diferente do meu pároco.

Olhei para cima e vi Jesus vestido de branco. Minha boca se abriu e mais nenhuma palavra saía.

- Estive aqui, esperando por você o tempo todo. Adiastes teu próprio perdão por pensar que eu estava ocupado... Persona Christi vive em todo o lugar, principalmente nos irmãos que julgaste. Mas agora aprendeste que estou aqui para te perdoar a qualquer momento, contanto que estejas arrependida como agora. - disse ele a mim, estendendo a mão.

Segurei em sua mão e levantei dizendo:

- Obrigado Senhor!

Senti outra mão no meu ombro que me fez acordar. Foi tudo um sonho bom, um sonho que Deus me dera para lembrar-me que, por mais que peque, Ele me ama e me perdoa. Era hora de me confessar depois tantas horas na fila da confissão comunitária. E, assim, fui. Mas com um sorriso no rosto, pois Deus me ama.

Ana Luiza Pereira

1 comentários:

Julia Avelino disse...

Oie adorei o texto muito criativo e o blogger e super teen pode seguir de volta ja to te seguindo beijos ..
California-pink.blogspot.com

Postar um comentário

Comenta, por favor!