Apenas sou



Não sou tudo, mas não sou nada. 
Sou apenas alguém. 

Um alguém redigido nas palavras que acredito serem fiéis e verdadeiras aos meus sentimentos. 
Um alguém preso na linha tênue do imaginário e do real tentando transpôr o que sente e o que vê. 
Um alguém que vive por metáforas e se comunica através delas. 
Um alguém que observa e nem sempre participa. 

Um narrador dos segredos intrínsecos do ser mais confuso da terra: o homem. 
Um narrador personagem que não sabe o que quer e o narrador observador que sabe demais. 

Sou apenas eu, tentando ser você e te descobrir por meio das palavras mais tocantes e vívidas. 
Sou apenas seus sentimentos e suas palavras. 
Sou um parasita na sua mente desvendando o mistério humano onde Sócrates e Platão não conseguiram mais transpassar seu pensamento. 
Sou a conversação de filósofos internos, onde quem ganha nem é sempre a razão dos fatos. 
Sou transposição dos medos e a vivência da revolução. 
Sou desejos dos prazeres e as mudanças de hábitos.
Sou o segredo que ninguém sabe e a morte que ninguém viu.
Sou precedentes e as más intenções de cada um.
Sou aquilo que você vê mas não o que você pensa ou diz.
Sou uma criança morta nas dores de amor e viva nas alegrias da vida. 
Sou um esqueleto humano enfrentando preconceitos e compartilhando histórias. 
Sou um excluso interno e incluso externo na sociedade que me cerca. 
Sou a opinião de alheios que, às vezes, lhe agrada, outras lhe entristece. 
Sou a decepção da família que não convivo.
Sou a família dos meus amigos e o amigo da minha família. 
Sou a cabeça dura maleável com o tempo. 
Sou lágrimas e suor do rosto que não tenho e o mistério das vozes que me falam.
Sou personagens e figurantes de histórias contadas vividas por alguém que não sou eu.
Sou o passado e o presente das memórias. 

Não importa quem eu seja, apenas sou... 
Mas não sei ser aquele alguém que se delimita.

Ana Luiza Pereira
Texto incluso no livro Raízes literárias 2 (2012).

1 comentários:

Gio, Infinitivo Perpétuo. disse...

Posso dizer que, depois de muito tempo sem visitar seu blog, você melhorou muito. O tempo não te deixou acomodada, ele te fez bem, deixando seus escritos mais maduros, agora, falando como quem tem propriedade nas palavras.
Parabéns, de verdade.

Postar um comentário

Comenta, por favor!