Opinião religiosa

Eu não entendo esta sociedade nem isto tudo de "aceitar Jesus". Nasci numa família tradicional e devidamente católica apostólica romana, fiel aos dogmas e leis da igreja. Uns de seus membros saíram da vivência cristã por conta própria, outros apenas trocaram de religião.

Eu não ando com minhas próprias pernas ainda, sou ainda menor de idade, mas já tenho minha opinião formada sobre isso. Sim sou católica, sim frequento a igreja por obrigação, sim eu creio em Deus e Jesus, mas isso não faz de mim uma marionete da minha religião.

As pessoas de hoje pensam que a palavra "pregação" virou sinônimo de protestantismo, mas provou-os que estão errado, é sinônimo de cristianismo; não o católico, mas o de todo aquele que crê em Deus e/ou em Cristo, pois é este que disse em sua palavra na Bíblia: "Ide e pregai a todos os evangelho".

Pessoas pensam que se tornar discípulo e apóstolo de Deus é, algumas das vezes, ser totalmente inconveniente, falando Dele toda hora e fazendo até que certas pessoas se afastem... Não venho repudiar ninguém, mas enche muito o saco falar de religião sempre.

Sim; sou católica, posso não ir sempre à igreja, posso contestar certas leis e até não pregar sempre o evangelho ao meu próximo, mas ainda assim eu acredito. Não pregar não me faz ser menos cristã. Na verdade, eu acho que crer em alguma coisa, já faz dela uma religião, e humanos precisam crer para crescer e se descobrir. Isso varia para cada um...

Mas, por favor, seja você católico, protestante, macumbeiro, agnóstico, espírita ou ateu, entendam; conversão é um ato e uma escolha que demora uma vida inteira e, essa escolha, não faz dessa pessoa uma idiota ou motivo de ser escória ou algo do tipo. Conversão não é dizer um simples "sim", pois ele pode mudar para um não a qualquer momento. Conversão é crer, ter fé e vivenciar aquilo que se acredita.

Ana Luiza Pereira

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta, por favor!