As desventuras da Senhora Educação


            A Educação cai por doente nesses anos cujo calor tropical do nosso Brasil vem aumentando.
Preocupada, procurou vários médicos para se tratar e, até mesmo, especialistas. Uns faziam da situação um verdadeiro descaso; não movia nenhum músculo, apenas permanecia sentado atrás de sua mesa, lendo seu jornal e ouvindo as reclamações da Educação.
Por passar tempo demais aturando esses médicos que não se preocupavam com sua saúde, apenas com sua estabilidade financeira, a Educação começou a ser mal-educada; dava respostas, esqueceu-se dos gêneros, números e conjugações. Porém, ainda assim, procurava doutores e mestres para se tratar. Poucos a ouviam. Menor ainda é o número que lutava pela sua melhora. Brigavam com o seu chefe, o Governo, o dono do descaso que usava do dinheiro público para outros fins.
                 - Cadê a democracia? – diziam certas pessoas indignadas.
                Mas respostas não obtiveram, apenas o silêncio constante das autoridades que pensam mais na economia do que na saúde de seu povo ou na pobre da Educação.
                Quem vai gritar? Por essa saúde falha... Quem vai gritar? Pela Educação doente... Por mais que o povo se una, suas vozes ainda são fracas contra o chefe autoritário e individualista, porém, eu sei e você também, que a voz do povo abala o poder de qualquer governo ineficaz.
                - Segure as pontas, Senhora Educação! Com o povo lutando por ti, sua saúde há de melhorar!

Ana Luiza Pereira

1 comentários:

Adriani Carneiro disse...

Fabulosíssimo!Sempre,com as palavras na ponta da língua,ou melhor dizendo,na ponta dos dedos...rsrsr

Postar um comentário

Comenta, por favor!