Discernimento na escolha


Eu sei o quanto é difícil escolher. Mais difícil ainda é ter discernimento para seguir em frente apesar das complicações e dores.

É mais difícil ainda é possuir discernimento quando se trata de coração. Se calar para não estragar a felicidade alheia? Boa sorte na sua carreira de mártir! Julgo o silêncio pior do que a situação estranha dos seus sentimentos escrachados na cara de quem você ama.

Na verdade, qualquer uma das situações são bastante constrangedoras, mas são inevitáveis! O que fazer? Lutar. Afinal, é apenas mais uma prova que a vida nos põe... É necessário passar por muitas travessuras da vida para ter as gostosuras.

Ana Luiza Pereira
Dedicado ao meu amigo Kérisson.

Seja o sofredor!


Engraçado como pessoas amam brincar com outras, seus sentimentos, conceitos e confiança. É divertido? É legal? Seja aquele que sofre no final! Sabe, falo logo a verdade; só conhecemos a verdadeira face de uma pessoa quando você se afasta dela. Quando nos aproximamos demais, nós idealizamos demais, não porque queremos mas porque o coração "pensa" que essa pessoa é digna da confiança. Até você cair... Eu prefiro pensar que é um ciclo vicioso, sem fim e com 'finais' um pouco diferenciados, mas a mesma dor e a mesma história... Estou sendo falsa? Meça suas palavras antes de compará-las as minhas. Quando souberes o que é estar na pele de um sofredor, quem sabe, você poderá argumentar que nem homem? Não sei... Só o tempo sabe!

Ana Luiza Pereira

Tentando ser uma fênix


Meu coração dói, minhas lágrimas caem, mas eu não me importo mais. Estou fria. Sabia que aconteceria! Eu avisei... Você não ouviu e quem arcou com as consequências fui eu. Culpa minha? Não, mas sua também. Estou desolada, chorando pelos cantos e você nem aí. Você está feliz seguindo a vida, que bom para você! Eu estou fria com ela... Quero algo que me faça esquecer, ou que me ajude, só quero que tudo volte ao seu normal... Do limite? Já passei. E, agora, ao começo voltei. Tenho que ser fênix, me destruir para me reconstruir e voltar a viver...

Ana Luiza Pereira

Monólogo do silêncio


            Meu silêncio é a minha fatalidade, minha morte intrínseca, minha loucura revolta, minha adorável seca de carinho, total falta de amor, e uma pitada de falta de pudor...
            Não entendes? Eu morro e renasço na ausência de palavras ditas, escritas e atuadas; suas e minhas. Elas me apunhalam e curam; são complexas, vívidas e reais. Enlouqueço, revolto-me sem suas palavras, berro em silêncio sendo esta revolta confundida nas lágrimas. É um silêncio seco, que você não entende que é pura apelação minha pelo seu amor e carinho... Nesse momento, perco o pudor chamando a atenção já que palavras são gastas, o silêncio não é entendido e os atos... nem adianta! Você nem olha, não é?
            É nesse silêncio misto que grito e... PELO O AMOR DE DEUS, ME OUÇA! Meus olhos estão esgotados, as palavras engasgadas; eu tenho que dizer! “Eu te amo!” – e o grito do silêncio sai como sussurro de palavras atropeladas e lágrimas borrando palavras escritas.
            Morri. Você não me ouve, não adianta mesmo! Logo renasço... O silêncio me mantém – por mais que você não saiba ouvi-lo.

Ana Luiza Pereira

Ser criança...


Não se determina uma criança pela idade, muito menos pela maturidade e experiência. Há crianças que são mães, pais, avós, tias... Amadureceram porque a vida obrigou, mas não deixam de ser criança.
Não se julga um idoso pela idade e experiência. Idoso também é criança! Todos o somos. Podemos não ter idade o suficiente para jogar bola na lama, brincar de boneca ou lembrar os tempos de “escravos de Jó”, mas ainda continuamos crianças.
Podemos ter perdido a inocência pura e doce, a crença que tudo vai ser melhor no dia de amanhã porque o realismo nos obrigou, podemos ter parado de chupar dedo, mamar na mamadeira, fazer xixi na cama... Podemos até ter aumentado de tamanho e criado rugas, mas, ainda assim, continuamos crianças.
Não faz sentido não é? Pois, então, desvendarei o paradoxo que confunde sua cabeça, leitor: ser criança não é ser imaturo, não é brincar na rua, não é ser doce ou inocente; ser criança é ser feliz.
Ser criança é, de fato, sonhar e persistir no seu sonho, crendo que um dia ele será real até de fato o ser. Ser criança é sorrir, chorar, amar... Ser criança é ser você, sentir o que você sente e não se esquecer de agradecer a Deus por ter uma eterna criança dentro de você que não há tempo algum que poderá apagá-la.

Feliz Dia das Crianças!

Ana Luiza Pereira

Codinome: filho(a) da puta!


Nome: ciúme Codinome: filho da puta.
Nome: distância Codinome: filha da puta.
Nome: inveja Codinome: filha da puta.
Nome: criancice Codinome: filha da puta.
Nome: mentira Codinome: filha da puta.
Nome: traição Codinome: filha da puta.
Nome: raiva Codinome: filha da puta.
Nome: impulso Codinome: filho da puta.
Nome: coração partido Codinome: filho da puta.
Nome: depressão Codinome: filha da puta.
Nome: saudade Codinome: filha da puta.
...
Nome: o(a)seu(ua) ex-namorado(a) Codinome: filho(a) da puta.
Nome: o(a) seu(ua) atual namorado(a) (que não sou eu) Codinome: filho(a) da puta.
Nome: o(a) seu(ua) futuro(a) namorado(a) (que não será eu) Codinome: filho(a) da puta.
Nome: a(o) idiota que roubou o meu coração e me deixou aqui. Codinome: filho(a) da puta.
...
Enfim,
Nome: amor Sobrenome: você Codinome: filho(a) da puta!

Ana Luiza Pereira

Quero um amor...


Quero um amor sem idealizações,
Sem aquele "desliga você primeiro...",
Sem o "você é bonita demais para mim!"

Quero um amor com coragem,
Com audácia de dizer se estou gorda ou se estou feia,
Com diferenças para discordarmos e respeitarmo-nos.

Quero um amor que não se desgaste,
Que o tempo não ultrapasse,
Um amor sem limites de vida ou morte.

Quero um amor com ternura,
Feito como na criação Divina,
Um amor que compreenda e não julgue.

Quero um amor sem dores,
Amor sem vingança,
Amor com ardores daqueles que amam!

Quero o amor ideal,
Um sonho de amor que não encontrei em vida,
Um sonho do "até que a morte nos separe"...

Ana Luiza Pereira

Anjos da guarda


Sabe, eu acredito que em vida passamos pelas mãos de vários anjos.
Podemos não ver as suas asas, mas eles as têm.
Podemos não vê-los sempre, mas eles sempre estão ali.
Podemos até esquecê-los, mas eles não se esquecem da gente.
Podemos não saber, mas eles sempre zelam, protegem, vigiam e guiam a gente.
Podemos nos perguntar o porquê de estarmos sozinhos, mas eles sempre estarão do nosso lado.
Podemos chorar sempre, eles sabem afagar nossas angústias.
Podemos sorrir sempre, eles serão os motivos ocultos desses sorrisos.
São o amor e o carinho deles que nos dá o bem-estar necessário para vivermos felizes.
E felizes para sempre.
Ao durável infinito do agora, o zelo daqueles que nos guiam é o zelo daquele que nos quer bem.
A eles, eu agradeço de terno e humilde coração;
Obrigada, meus anjos da guarda!
Obrigada, meus amigos!

Ana Luiza Pereira

Garota ideal


Quem é a garota?

Digamos que ela fez um milagre em mim...

Quem é a garota?

Feliz com os amigos, quieta sozinha...

Quem é a garota?

Carinhosa, protetora, linda e romântica...

Quem é aquela garota?

Ela me fez cair aos seus pés com essa paixão avalassadora!

E agora?

A quieta me deixou aqui, enquanto ri com as amigas.

Me declaro?

Não. Serei um idiota...

Fico quieto?

Não. Serei masoquista!

O que faço?

Não sei... 

Nesse paradoxal de incertezas, a certeza que eu tenho é: 

Minha linda idealização de garota, eu te amo!

Ana Luiza Pereira

Inesquecíveis e adoráveis


Se eu fosse escrever uma(s) palavra(s) que me lembrasse a felicidade, essa palavra seria(m) seu(s) nome(s). 
Cada momento que passamos foi especial e feliz, cada segundo, cada encontro e reencontro... 
Não importa como eu esteja, você me anima.
Posso estar aos trapos, você nem se importa.
Não importa se eu choro, você me dá o ombro e me faz sorrir.
Posso estar de bem com a vida, você estará de bem comigo.
Não importa o quão irritada eu esteja, você sabe dos meus motivos.
Posso estar de mal com a vida, mas você compreende, ou tenta compreender, os porquês.
Ouvinte, compreensivo(a), conselheiro(a)...
Não importa como eu seja, você me aceita.
Não importa como você seja, diferenças é que nos faz felizes e de bem.
Somos assim, especiais um(a) para outro(a), importantes, infalíveis.
Inesquecíveis e adoráveis irmãos(ãs) de famílias diferentes:
Somos apenas amigos(as).

Ana Luiza Pereira