Debuxo de escombros


Estou aqui. Com papel e lápis a refletir no debuxo de meus sentimentos falhos traduzidos friamente em palavras. Não tente inicialmente entendê-los; só quem já sentiu reconhece as minhas palavras e as aplaude de pé. Aos outros, intrigo a imaginação e o pouco de senso crítico que nos resta.

Não quero parecer insana, muito menos idiota. Mas sim, sou uma sonsa. Por quê? Amor.

A quem quero enganar? Minhas lágrimas são invisíveis, meu sofrimento intrínseco, minha tristeza é reprimida... Não é por que eu não demonstro que eu não sinto, mas todos já sabem.

Às vezes parece que a vida te dá esperanças para arrancá-la toda, e mais um pouco de teus sonhos, de volta... Você, meu bem, me dá esperanças e me retira do gozo delas em um piscar de olhos. E eu? Choro. Que mais eu hei de fazer? Não tenho mais forças para lutar...

Sei que preciso de um tempo para mim, te esquecer e me afastar. Mas você é a droga mais viciante que já provei. Eu simplesmente não consigo entrar em abstinência de ti sem a depressão. Então, por escolha própria, prefiro morrer aos poucos de amores.

Se amor é uma bomba-relógio? Com certeza. Explode as emoções ao acontecer e só nos deixa os escombros. Por que somos nós sempre os soterrados sobreviventes? Se eu ao menos pudesse ter parado o relógio antes de sua explosão... Atrocidades, acidentes, fatalidades sempre irão acontecer. Bombas-relógios como atentados de um(a) terrorista também, infelizmente.

E nos escombros destes rabiscos, volto a por a mão no queixo a refletir na minha sobrevivência deste amor. Reconstrução? Sem chance, perda total. Mas o que é a vida sem os escombros macabros do passado? Sem a mudança e as bombas-relógios momentâneas? Respondo-te com maior prazer, amigo; nada. A mudança vem, inevitavelmente - sem pretensão ou previsão -, aceitá-la é uma obrigação, um fato. Não devemos temê-la, afinal, quer maior bicho-papão do que os escombros vosso passado?

Ana Luiza Pereira

1 comentários:

₣eĽΐρغ Ήغηяΐ XD disse...

Escombros esses, minha cara, que lhe caíram com força total, por isso eu não tenho como dar os velhos conselhos de sempre pra ajudá-la, pois não tenho condições para tal. Mas lembre-se de que estas pedras dos escombros, pesam, e muito, machucam, esmagam... Por mais sofrível que seja existe uma "dependência" que impede que tais pedras sejam retiradas.

Postar um comentário

Comenta, por favor!