Complexidade de perdas


Se penso; existo.
Se existo; me busco.
Se me busco; uma hora me acho.
Enquanto não; me perco. 
Perco-me na melancolia, estupor, paixão, tristeza, vida e morte de palavras dos textos que me convém a escrever.
Infinitas possibilidades de perdas e encontros se há em palavras feitas de ações ou emoções completas ou não.
Inifinadades de definições incompletas por auto-biografias confusas não consistentes a de um dicionário.
Somos humanos, sujeitos a falhas.
Somos humanos, aqueles que pensam e criam palavras mais falhas...
Afinal, se penso, existo e me busco, por que não pensar, existir e me buscar me perdendo no mar de sentimentos tentando serem descritos num oceano de palavras?

Ana Luiza Pereira

2 comentários:

Gio, Infinitivo Perpétuo. disse...

Meu tipo de leitura favorita.
Sou péssimo pra comentar, mas acho que não posso dar elogio melhor do que esse: Me inspirou!

São Paulo, SP, Brazil disse...

Lindooo de mais.
como o Gio disse.
- meu tipo de leitura favorita.
adoreiii .

Postar um comentário

Comenta, por favor!