A Raposa e o Principezinho


Meu coração... Meu frágil músculo cardíaco vibra quando te ouve, quando te vê. Ele te espera e me faz viver bombeando cada hemoglobina com sua inicial gravada nelas.
Quando se aproxima a hora de dormir... Ah... Que felicidade! Meu coração de raposa se prepara e se agita ainda mais com o “Boa noite” do meu Pequeno Príncipe.
Sua voz é como lira aos meus ignorantes ouvidos. Um som doce e suave. Seus lábios são como balas aos meus...
Só o calor da sua pele macia e imaculada é que me espanta todo e qualquer medo que aparece em minha mente pequena. Só estando envolta nos seus braços que sinto a segurança e sei o que é um lar. Só ouvindo a batida do seu coração que eu sei que você é perfeito a mim. Só sentindo seu cheiro que eu sei que nada poderá se igualar a você. Só com você que eu sou feliz!
Poderia ficar aqui, ao seu lado, passando horas infinitas te ouvindo, beijando e admirando tal beleza sobrenatural. Poderia ficar aqui, ao seu lado, rindo e chorando com cada acontecimento do mundo, ouvindo o ritmo igual de nossos corações e sentindo o crepitar do fogaréu da minha paixão a cada “Eu te amo” dito por sua boca. Nós poderíamos fazer isso...
Mas meu Pequeno Príncipe precisa ir... Você precisa continuar seu legado de amor, deixando outros seres como eu infinitamente apaixonado por você, sua beleza e seu jeito. Enquanto eu, mera raposinha infeliz sem sua presença, voltará a sua toca, para buscar nela um jeito de lembrar e sentir novamente o calor aconchegante de seu abraço.
Não se esqueças, Principezinho; “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”. Você me cativou... Agora, meu coração estará eternamente sob as responsabilidades das suas vívidas mãos.


Ana Luiza Pereira


Trechos retirados do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupérv.
Texto comemoração aos 6 meses de namoro com Kaique Bruno Boga. (Eu te amo, Kaique! Para sempre...)

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta, por favor!