Os verdadeiros ladrões



Padre Antônio Vieira foi um padre que morou em terras brasileiras, morreu em 1697, deixando a nós seus preciosos textos barrocos e sermões.
Num deles, o sermão do bom ladrão, Antônio Vieira fez uma analogia e uma crítica: os piores ladrões são os que possuem dinheiro.
Naquela época, Antônio Vieira deu como exemplo Alexandre – O Grande – e um pirata a roubar meras barcas, e os comparou.
Hoje, podemos nos dar o luxo de dar outros exemplos dentro deste contexto. Um claro exemplo disso são os políticos corruptos que nós, o povo, escolhemos para nos representar no exterior e os ladrõezinhos de boca de fumo.
Comparando a reportagem publicada no site do jornal O Globo, reportagem na qual faz menção a prisão do Vereador Jerominho, acusado de ser o comandante da milícia da Zona Oeste do Rio, com as enquetes da época; percebe-se que o povo não acusava o vereador de crime algum. Pelo ao contrário, sentiam-se seguros com a milícia que Jerominho criou.
Outro político que usufrui dos benefícios do dinheiro, por exemplo, é o deputado estadual Jorge Babú. Preso em 2004, por praticar a famosa rinha de galos. O contraditório, é que seu partido político defende uma ficha limpa, porém desde que o Ministério Público pediu a expulsão dele do PT em 29 de agosto de 2008, até hoje essa denúncia nunca fora julgada. Supondo que Babú tenha comprado os juízes (ladrões pequenos).
Devido à ignorância do povo ao eleger os políticos de hoje, os verdadeiros ladrões, como diz o sermão de Antônio Vieira, conduzem nosso país ao inferno, no momento em que deveriam guiá-lo ao paraíso.
E isso acompanhados dos juízes de hoje, que mesmo tendo poder de condená-los, muitas vezes os defendem. Políticos e juízes corruptos, lado a lado buscando seus interesses próprios nos levando ao buraco.
Mas isso acontece por possuírem poder. Usam o que tem para terem mais, tirando o que é dos pobres. Manipulam-nos e nos compram. Enquanto os que querem ir pelo “mau caminho” e que não possuem poder, logo são vaiados e derrubados, sendo vistos como os grandes vilões pelo povo. É preciso ter poder até mesmo para fazer o povo de trouxa.
O padre foi incrivelmente inteligente por escrever um texto tão atemporal, pois se repete até hoje. “Lá vão os ladrões grandes enforcar os pequenos”.

Ana Luiza Pereira


Trabalho sobre a época barroca brasileira intitulado "O Barroco atemporal" e feito em março de 2010.

1 comentários:

Wyllian Torres disse...

~. Que lindo, Ninha!

Postar um comentário

Comenta, por favor!