Masquerade


Nada melhor que um baile de máscaras! Mas não precisamos do baile para ver as máscaras... Por quê? Ora, vejamos... Num baile, você vê rostos de papel desfilando, pessoas se escondendo do mundo...
Mas não precisamos de máscaras de papel... Já somos mascarados sempre! Somos diferentes, de fato. Rostos de diferentes tonalidades em diferentes formas caminhando à nossa sombra do espelho. Olhe ao redor! Nem todo sorriso é verdadeiro, nem todo olho tem brilho e cor, nem todos gostam de roxo, nem todos são bobos ou rei, diabo ou anjo, rainha ou padre...
São rostos! Rostos mascarados! Mascarados por algum sentimento, algo maior e talvez incompreensível para quem vê de fora.
Mas, essa, é a sua vez Mascarado! Dê uma volta no carrossel da vida, dentro desta corrida desumana, e deixe sua máscara cair... Quero ver quem você é, se tens ou não aquilo que te define homem: caráter.
Olho dourado? Roupa azul? O verdadeiro é falso quando se usa máscaras. Quem é quem? Sabes responder? Lábios carnudos, vestidos rodados ou cara de palhaço?
Diga-me o que procura... Mas eu só vejo rostos! Rostos mascarados bebendo o que tinham para beber até se afogarem na própria angústia que anseiam pela ressaca.
Mascarado; sorriso amarelo dissimulado; escolha o espetáculo da vida (o qual você conhece muito bem) e deixe isso maravilhar você.
Mascarados; olhares intensos ao meu lado! Mascarados! Sombras em ebulição nas suas mentiras sussurradas. Mascarados; vão e engane a todos, até os amigos que mais te conhecem. Mascarados; sátiros e sorrateiros com indagantes olhos.
Mascarado; por mais que você tente correr e se esconder, sempre um rosto te perseguirá...

Ana Luiza Pereira

Inspirado em Masquerade do filme O Fantasma da Ópera.

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta, por favor!