Forest


Era só mais um passeio colegial entre matas e florestas... Porém, ela não aceitou o seu destino sombrio. Ela o rejeitou e o abnegou. Ela se apavorou com as criaturas da floresta... Ela os ouvia dizer coisas... As verdades que ela mesma nunca entendeu. Mas, a cada passo que dava, seu medo crescia e mais vultos ela via ao ser redor.
Ela fugiu... corria sem rumo entre as árvores negras e a névoa densa da floresta. Galhos se partiam diante de seus pés, folhas secas caíam em sua cabeça, mas ela apenas corria, corria para o mais longe daquela voz macabra que lhe dizia:
“Ande comigo, minha pequena criança. Fale comigo, minha pequena obsessão. Ande comigo até esta floresta virar pó. Conduza esta lenda em meio ao outono que se forma, você verá as consequências...”
Ela corria e se perdia a cada passo que dava. Ela não via quem fazia aquela voz só via vultos de animais, ao seu redor e se apavorava cada vez mais...
“Você não sabe, nem ao menos vê; você é a minha criança, filha desta floresta. Você não entende por que este verde é a sua obsessão muito menos o porquê que você é a obsessão deste verde... Conte a todos que esta voz é você, pois EU SOU VOCÊ e leve esta minha promessa até o seu fim.”
Mal ela sabia que todos já a procuravam entre as árvores da floresta, todos gritavam pelo seu nome, mas ela não ouvia... Mas todos ouviam a voz:
“Ande comigo meus pequenos amigos. Andem até fazerem desta floresta um deserto. Conduzem a lenda da voz da floresta entre este outono que se forma... Senão, vocês verão as consequências.”
Quanto mais a floresta os advertia, mas eles se apavoravam. Uns voltaram, enquanto outros continuaram a procurá-la mais e mais rápidos.
Ela se perdia ainda mais enquanto a floresta lhe dizia novamente:
“Leve esta promessa para um passeio, você viu o que tem numa floresta quando se adentra. Você conduziu esta lenda para o outono que se forma. Você viu a consequência de não se acreditar: poluições, destruições... Eu, que sempre fui o equilíbrio ecológico deste planeta, estou virando pó e desertos. Nenhuma televisão no ar diz o que realmente acontece neste planeta, não consigo mais trazer o ar puro que vocês respiravam. Vocês fizeram armas e guerras e olhem só para nós! Somos cinzas, frutos de sua guerra desnecessária!”
Logo suas pupilas focalizaram sua amiga e, assim, ela pôde ir para civilização e espalhar a lenda do “Socorro da Floresta”. Quem ouviu, não acreditou. Mas logo viram as consequências da falta da Mãe Natureza entre a gente.
E, assim, ela não foi mais tachada de louca como antigamente...

Ana Luiza Pereira


Inspirada na música Forest do System of a down.

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta, por favor!