Snuff


Eu suportei... Por tanto tempo esta loucura, seu jeito e seus segredos. Enterrei-os na minha consciência e nos meus pensamentos. Por muito tempo suportei suas mancadas e erros, até o seu jeito inocente de “eu não sei o que faço, ensina-me!”.
Mas você me magoou... de novo! Nós brigamos e você desapareceu, deixando-me sozinho na gaiola de meus pecados. Estou sem ar e o amor que eu sentia por você tornou-se uma camuflagem para o novo ódio.
Você me ama? Deixe-me ir! Deixe-me ser feliz sem me prender a seus erros, suportá-los como um nada sendo que são eles que me ferem mais que suas palavras.
Vá! Fuja de novo da responsabilidade de cuidar daquilo que cativou! Saiba que meu coração voltou a ser frio e sombrio demais para que eu me importe novamente... Eu não posso destruir o que VOCÊ construiu, o que VOCÊ me fez sentir, o que VOCÊ me fez amar... Vai! Me entregue nos braços do meu destino, novamente! O destino de ser sozinho e não saber como te odiar...
Eu não mereço ter você... Meu sorriso foi tomado há muito tempo, desde que você não se importou mais. Se eu posso mudar novamente e por outra pessoa, espero nunca saber.
Eu ainda pressiono suas cartas junto a meus lábios enquanto choro e guardo suas lembranças dentro de mim, relembrando o sabor de cada beijo.
Eu não consigo seguir nessas trevas sem você, sem a sua luz. Mas tudo se perdeu no momento em que você recusou a lutar do meu lado.
Se for para ser assim, poupe o seu fôlego! Estou cansado das suas desculpas esfarrapadas... Nada adianta! Não irei ouvir uma pessoa que promete, mas não muda nem quando se diz amar. Deixei isso bem claro? Você não é capaz de odiar o bastante para amar, não foi em seu coração que havia tanto ódio que você o transformou em amor... Isso é o suficiente? Eu só a queria como uma amiga, assim, eu poderia e conseguiria te machucar no final (assim como fizeste comigo...).
Nunca fui santo, nem me declarei em ser. Meu interior foi banido e destruído há muito tempo, muito antes de te conhecer. Tudo o que eu tinha... minha esperança... tudo morreu ao te deixar ir.
Então, rale seus joelhos, quebre os seus ossos, caia de encontro as minhas pedras. Este é seu fim, Maria Madalena. E cuspa seu sangue de piedade na minha alma, manche-a mais uma vez com o seu falso amor. Você nunca precisou da minha ajuda... Apenas me usou para se salvar! E eu não ouvirei teu choro de vergonha. Você fugiu... como todos os outros. Vocês são iguais! Enquanto eu pensava que alguém seria um pouco diferente... Anjos mentem para manter o controle da situação, você mentiu para manter o controle de si mesma!
Meu amor por você começou a ser punido faz tempo... Se ainda se importa, não deixe que eu saiba...

Ana Luiza Pereira

Inspirada em Snuff de Slipknot.

3 comentários:

˚◦Nique disse...

*-* Adorei... Como sempre rsrsrs

Anônimo disse...

musica do slipknot hm cade sua propria criatividade

A.L.P. disse...

A MINHA CRIATIVIDADE SE SEGUE A PARTIR DE LETRAS E MÚSICAS QUE OUÇO, não gosta? Sinto muito! Não mudarei por vc! u_u

Postar um comentário

Comenta, por favor!