Carta à Tristeza


“Querida tristeza,

            Não quero atrapalhar seu trabalho, mas eu preciso me expor de alguma forma. Seu trabalho; entrar, atazanar, estar do lado e nunca mais largar, vem me dando nos nervos.
            Suas palavras subiram-me à cabeça e eu vendi-lhe minhas lágrimas.
            Afastei-me e isolei-me. Você é um carrasco e suas chicotadas de tragédias vem rasgando e sagrando a pele de minh’alma.
            Revolto-me contra essas feridas nojentas e as correias assustadoras e rastejantes.
            Enojo-me com as cicatrizes de minhas lágrimas vendidas a ti ao olhar-me no espelho. As máscaras que me deram não funcionam mais: não sou mais a pessoa feliz que todos pensavam que eu fosse.
Obrigado: por destruir minha vida, invadir minha cabeça e me apresentar a infelicidade.
Mas, me faz um favor? Me deixe só até meu leito de morte.

Agradecido,

Uma alma sofredora e infeliz.”

Ana Luiza Pereira

1 comentários:

celi disse...

A tristeza é traiçoeira, pois ela tem o dom de aparecer nos momentos que achamos estar imersos em pura felicidade. Mas existe algo mais forte que esses momentos tristes de isolamento, nossos amigos. Palavras carinhosas, lembranças felizes, conversas banais ou simplesmente um abraço verdadeiro é a melhor receita contra a tristeza.

"When you down and trouble and need a helping hand just call my name and sure I'll be there."

Postar um comentário

Comenta, por favor!