A tragédia de minha tristeza


Debulhei-me em lágrimas; a distância se alongou.

Não poderei te ver, ouvir. Tudo graças ao destino que amaldiçoou nossa paixão.

Sinto-me presa numa tragédia grega, onde o amor incondicional de duas pessoas as corroem e as levam à mais doce morte.

"Tão doce a ideia do suicídio!"

Minhas lágrimas não param de molhar o papel já manchado de tinta.Busco desesperadamente em meio a este oceano de lágrimas a saída desta depressão.

Minha tristeza parece não ter fim. As horas não parecem passar. Mas a certeza continua: TUDO nos separa.

Sinto o fantasma de Hamlet a agonizar e atrapalhar meu amor por você, meu príncipe dinamarquês.

Agonizante e ratejante. Sou mais um verme neste mundo, ao menos, sinto-me assim. Asqueroso e arrogante. Torno-me assim. Triste e fria. A depressão já tomou conta de mim. Pequena e grotesca. Sem ninguém para entender-me ou se preocupar.

Por isso as lágrimas; por isso a depressão.

Luto contra mim. Luto contra o triste fim das tragédias. Luto contra as minhas lágrimas, para ver a esperança em seus olhos.

Ana Luiza Pereira
 


0 comentários:

Postar um comentário

Comenta, por favor!