Sapo


Ontem saí na rua. Precisava espairecer com a minha solidão. Mas onde quer que eu olhava; só via casais a andar ou estar abraçados a conversar, voltei para casa.
Liguei a TV. Nada de bom passando. E na platéia mais e mais casais a se beijar, fui para o quarto.
Comecei a conversar com minha mãe. Papo bom, papo reto. Veio meu pai com um presente e minha mãe ficou com o sorriso aberto. Fui para minha cama.
Tranquei-me sozinha na minha vasta solidão. Peguei meu companheirinho e o beijei, ele não era uma pessoa, mas é o sapo que sempre amei.
Invejava mortalmente aqueles casais, felizes sorridentes a se beijar. Enquanto eu só tinha meu sapinho de pelúcia que estava a abraçar.
Quem sabe ele não vira príncipe? Quem sabe eu não vire princesa?
Quero viver no conto de fadas! E no cavalo branco dele passear no mundo irreal.

Ana Luiza Pereira


Baseado em fatos verídicos.

2 comentários:

Carina Bickel disse...

Como você conseguiu ler meus pensamentos e escrever ç.ç ? rs! Mas agora vce tem um príncipe de verdade =)

Ninha Luiza disse...

Não ainda, Carina!

Postar um comentário

Comenta, por favor!