Eu escolhi o silêncio


Olhar para baixo e respirar fundo: é o que eu preciso. Não quero sair quebrando tudo, gritando ou chorando, embora preciso para acalmar meu coração... Escolhi o silêncio e no silêncio continuarei. Continuarei a ouvir coisas que me magoam de bocas que eu amo, tudo em silêncio. E, mesmo que a raiva me abata e eu chore, ficará tudo bem no dia seguinte. Mesmo que a "falta de consideração" parta ou não de mim (é só olhar para todas as palavras usadas), as lágrimas lavarão minh'alma. Continuarei no silêncio e, caso queira saber o que há de errado, decifre-o. Fiz minha escolha e continuarei nela até que você diga que estás em paz.

Ana Luiza Pereira

Senso de ridículo

Ontem, vi no facebook uma postagem que não me agradou. Ela dizia: " Você é cristão e vai curtir o carnaval? Não se esqueça de levar a máscara que você usa na igreja". Não é certo julgar alguém por querer curtir o carnaval: um protestante que vai pular e seguir um bloco com os amigos, um católico que vai pular com o um copo de cerveja na mão, todos eles estão errados? A verdade é que as pessoas precisam ter senso (de ridículo, segundo alguns) e não usar o carnaval como DESCULPA, sendo uma festa permitida pela Igreja desde o século XIII, para a promiscuidade, a traição, a bebedeira. Sou cristã, sou católica, fui ao bloco com meus amigos curtir a música e me divertir, consumi álcool mas não a ponto de vomitar ou passar mal, fui na paz, voltei em paz e não preciso usar máscara nenhuma. Só tenham também o senso de ridículo que tanto falam na hora de falar e julgar.

Ana Luiza Pereira

Máscaras de carnaval


Um dia, uma amiga me contou uma conversa que teve com alguém: ele perguntava qual fantasia ela usaria no carnaval, minha amiga disse que iria vestida como ela mesma, então, esse alguém respondeu que a não reconheceria, ela começou a perguntar o porquê e ouviu uma resposta que achou genial: "Porque as mulheres tem muitas faces".

De fato, o temos. Somos mães e pais em tempo integral, amigas, confidentes, companheiras, sabemos dar carinho e sabemos brigar com quem quer que pise no nosso calo... Sabemos muito e sabemos a hora exata para tais coisas. A verdade é que Deus criou a mulher para que ela guarde grande parte da sabedoria que homem algum poderá ter um dia. Tanto é verdade que não há conselho melhor (nem mais exato) do que aquele que é vindo de uma mãe.

Contudo, por mais que nós, as mulheres, sejam seres fortes e sábios, nenhuma sabedoria e fortaleza é suficientemente grande para esconder nossos medos. Exemplo: algumas mulheres anseiam pela mudança de seu mundinho e pela reinvenção do seu "eu", enquanto outras (eu me incluo nesse grupo), gostam de se descobrir e reinventar, embora tenham medo de mudanças em seu mundo (na sua casa, no seu relacionamento, etc.). Não diria que tais mulheres (não entendam isso como uma autodefesa) gostam do comodismo, pelo o contrário, elas são capazes de mudar o mundo em que vivemos, mas acham seu mundinho perfeito demais para ser mudado. Afinal, qual mulher não criaria um mundo perfeito só para si, após uma grande perda? Ouvi dizer que lágrimas falsas machucam quem as vê, enquanto os sorrisos falsos machucam quem os dá... Por mais forte que sejamos, por mais que nos reinventamos, também temos um senso de autoproteção capaz de criar o que quisermos para que nos sintamos seguras o suficiente para sermos mãe, pai, companheira, amiga, confidente...

Para encerrar essa divagação, pergunto-lhes do fundo do meu coração: qual mulher vocês serão nesse carnaval?

Ana Luiza Pereira

No escuro


É na falta de luz que percebemos o quanto a escuridão nos ronda,
É na ausência da luz que percebemos nossas fraquezas,
É na escuridão que nossos olhos (e outros sentidos) nos enganam.

Caminhar no escuro,
seja de olhos vendados ou não,
é uma escolha
que, por muitas vezes, faz-se necessária.

Afinal de contas, 
ao final dessa caminhada,
nossa visão do mundo será outra:
talvez mais ampla que o normal,
ou mais obscura,
tudo vai depender de escolhas futuras
que, sem as quais, não definiríamos quem somos no escuro.

Ana Luiza Pereira

The night poem

The night makes the dreams.

The dreams happens in the morning.

All opposes day by day.

At the morning, just one question: Today is the day that everything gonna happen?

The dreams never ends, as the night or the morning.

So, everyday is the same stuff, the same questions.

All the stars are witnesses of every step, every dream, as they are this poem.

Ana Luiza Pereira