Crise

Dante estava em crise quando escreveu A Comédia.
Eu estive em muitas crises ao escrever muitas coisas.
Agora, não estou em crise ao escrever simbolismos e alegorias,
mas estou cansada.
 Por muitas vezes, escrevi aqui o quanto gritei
e eu sentia que não me ouviam.
Portanto, cansei de gritar e falei.
Meu tom mais baixo ouviram, certos assuntos.
Agora, nem falar funciona...
Cansei.
Dizem que desisti, e dependendo da ótica, sim, é verdade.
Mas tenho meus motivos... Um deles é o cansaço.
Se peço, não me negam, mas não me dão seu sim.
Se grito, sou uma pessoa ruim.
Então, cansei.
E minha crise me deixa mal.
Só escrevo isso para exortar meu cansaço
e engolir minhas lágrimas.
Assim fica mais fácil de encarar as coisas e seguir em frente.

Ana Luiza Pereira

Espelho, espelho meu

Admito evitar olhar para o espelho. Mas quando olho, posso ficar horas ali parada me observando.  Não, não sou narcisista ou algo do gênero, pode ser que algum dia eu fui, mas não me recordo muito bem desses tempos dourados e da brilhantina. Na verdade, a primeira coisa que observo ao olhar aquele reflexo no espelho que eu reconheço ser eu por simplesmente imitar meus movimentos são os que os outros falam ou pensam de mim. Como é meu corpo, minha pele, meu sorriso, meu jeito de andar, jeito de agir, jeito de lidar... Tudo. Após analisar a vericidade desses pensamentos alheios, eu começo achar quem eu sou. Aquilo que eu vejo não são mais meus olhos, boca, rosto...Nem minha genética, árvore genealógica... Nada disso. Vejo minhas cicatrizes, minhas decisões, aquilo que passei e que me formou. Não evito de olhar para o espelho porque vejo o que me tornei, evito olhar para o espelho para não saber o que pensam de mim. É entristecedor ver isso, então tapo meus olhos para não olhar a vericidade no olhar do outro no meu reflexo do espelho, olho apenas minhas decisões. Afinal, sem elas, como seria meu reflexo no espelho hoje?

Ana Luiza Pereira

Balé de bonecos

Numa noite, escura e gélida, a mágica acontece e a vida se torna clara. Vida que é movimento, ânima, até em objetos inanimados.

Primeiro, aquela porcelana empoeirada, que à luz da lua dança e convida os outros a dançarem com ela. Depois, vem as bonecas de plástico dos mais diversos modelos e visões. Sempre sorridentes, encantam a todos e dá vida aos mesmos. Após, as caixas surpresas, os bonecos de ação, bonecos de pano... Não importa do que sejam as vísceras (pano, plástico ou enchimento), viveram, sorriram, brincaram.

No auge de uma lua esbranquiçada, a criança acorda e vê a vida. Encantada, fica no meio da roda a admirar, enquanto os bonecos a convidavam para brincar.

E quando a lua desaparece, tudo volta ao seu devido lugar. A vida continua lá, mas a mágica se esconde, como desaparecesse diante dos olhos da criança. Os movimentos dele se tornariam os dela e ela volta a brincar normalmente, sempre com os mesmos brinquedos. A boneca de porcelana empoeirada, a que convidou todos, ficou de lado, empoeirada na estante e esquecida para sempre.

Ana Luiza Pereira

Desabafo sobre família

Não é porque eu não tomo partido de muitas coisas que vejo que isso significa que elas não me afetam, pelo o contrário, me entristeço com elas e vejo que um simples pedido de um coração carregado de amor de mãe, em seu leito de morte, é a cada dia mais desrespeitado e ignorado.

Posso ter pouco tempo de vida, menor ainda é o tempo da minha fé cristã. Contudo, a cada dia, tenho a convicção que Deus nos presenteia com duas famílias lindas: àquela que escolhemos, na qual está os amigos mais íntimos e os nossos companheiros para vida toda (nossos maridos (esposas), noivos(as) e filhos(as) que escolhemos ter com esse cônjuge), e àquela na qual nascemos.

Por mais imperfeita que seja uma família, seus problemas, suas preocupações, etc., ela é um presente de Deus. Deus te pôs nessa família por alguma razão, seja para que você seja luz para a mesma ou para que você aprenda com ela. Às vezes, estar em família significa perdoar, se "humilhar" e esquecer. Outras vezes, estar em família significa ser ombro e, em seu silêncio ou em suas poucas palavras, ser professor daquele que te procurou para chorar. 

Não importa para qual dos milhões propósitos seja, Deus te quer ali, naquela casa e Ele se entristece a cada vez que ver uma família se desfazer. Se o próprio Deus não valorizasse a família, seu Filho simplesmente desceria dos céus. Mas Ele fez questão que Jesus nascesse no seio de uma família e tivesse um lugar para chamar de lar. Sim, Ele ensinou muito mais a Maria e a José que eles ensinaram a Jesus, mas Jesus esteve em um lar. E, nas dores da cruz, Jesus nem por um segundo esquece da família que teve, entregando sua mãe para que o seu apóstolo João cuidasse. 

Perceba, então, que os valores cristãos vão além de ir à igreja e falar: "Eu creio", mas está em zelar sua casa, a família que você criou e a que te criaste, pois é no seio de um lar que nasce a igreja.

Não venho discutir com ninguém, não ligo se quiserem me deletar ou servirem de escárnio para com essa minha opinião. Mas peço que reflitam. E, quando rezardes, lembre-se de pedir a Deus cura para o seu coração que há muito o tempo já feriu.

Ana Luiza Pereira

Lembre-se

Lembre-se do sol que brilha todas as manhãs mesmo em dias nublados e chuvosos, lembre-se do vento que te beija e te refresca, lembre-se da água que te dá vida, lembre-se do sorriso do lado quem te ama, lembre-se do amor puro, verdadeiro e incondicional de sua família, lembre-se do abraço e de seu colo aconchegante, lembre-se... e se dê conta que nada disso morreu, as pessoas mudam, algumas se vão, mas o essencial, aquilo que te faz sorrir e determina sua felicidade, ficam para sempre. 

Ana Luiza Pereira